QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, ), Ex-Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Vogal da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

A Sua Empresa Está com Depressão Empresarial?

Você já ouviu falar da da Depressão Empresarial?
 Não? 
Vamos alguns sintomas que podem lhe parecer familiares: quando os negócios não vão bem, lá vem a lista de possíveis culpados que envolve
– Situação política na política;
– Conta de luz que não permite investimentos em equipamentos;
– Dólar que prejudica compra de insumos entre outros.
O que muitos empresários nem percebem é que o culpado por um baixo rendimento muitas vezes pode estar nas atitudes internas e tem até nome: Depressão Empresarial.
Eduardo Valério, diretor-presidente da JValério, especializada em empresas familiares, tem observado que nas empresas, de uma forma geral e a despeito do fenômeno político e econômico que o Brasil está enfrentando, existe um outro efeito perverso deste reflexo que é o conformismo que as empresas estão tendo:
“Quando eu cito empresas não é o CNPJ, mas sim os CPF, ou seja, a diretoria e o próprio conselho de administração e de gestão com um conformismo com as coisas erradas e de baixa eficiência.  Não é apenas percepção, mas sim dados que estamos coletando. As empresas estão deixando e fazer o seu básico, exatamente nas operações em que eram eficientes e deixaram de ser.”



Esta a depressão empresarial gerada não por uma dificuldade causada por questões financeiras ou de mercado, mas pelo desânimo,  que acaba colocando a empresa dentro desta inércia: “É esta depressão empresarial que, analogamente à depressão do ser humano,  faz com que o executivos já não redobrem os cuidados que sempre foram feitos com processos e seus indicadores, checar várias vezes o mesmo procedimento. O índice de retrabalhos em função deste estado de espirito é muito alto.”
Eduardo Valério não ignora o fato de que claramente há uma crise do lado de fora das empresas, mas dentro delas há um outro reflexo desta crise que é este descuido do dia a dia na empresa. A solução apontada por Valério é o choque cultural:



“É preciso voltar ao básico, ou seja, fazer bem feito pela primeira vez como sempre fizeram, mas em função dos efeitos da economia e da política as pessoas entram nessa mesma vibração negativa e se acabam se desleixando nos seus papeis como gestores do negocio.”
O especialista recomenda o chamamento dos colaboradores da empresa, desde o presidente até o funcionário menos graduado, para revisitarem os seus papeis dentro da organização e observarem aquilo que se deixou de fazer em nome da crise: 
“Tem muita coisa que a crise é culpada, outras é  o estado de espírito.” completa
Sobre Eduardo Valério - http://www.falandodegestao.com.br

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

PROGRAMA DE IDEIAS - FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO

Este artigo é uma resposta aos inúmeros pedidos de socorro que recebo via e-mail: são profissionais responsáveis pela implantação de um programa de ideias ou por programas que não decolaram ou murcharam com o tempo.

Os sistemas de geração de ideias demandam mais do que a instalação de um software, por melhor que ele seja.

Veja os aspectos que considero fundamentais
  • Customização
Nestes projetos, benchmarks são freqüentes. Entretanto, os programas de ideias precisam estar profundamente sintonizados com a empresa. Eles variam conforme o tipo de inovação desejada, a cultura da empresa, expectativas, tamanho e estrutura da empresa, o nível sócio-cultural dos participantes, maturidade com processos de inovação, etc. Um exemplo: algumas empresas reconhecem ideias apenas por elas terem sido apresentadas, antes mesmo de elas terem sido aprovadas. Isto é certo? Funciona ou provoca ideias inúteis, que serão apresentadas só para a obtenção do reconhecimento? Esta é uma das opções que vai variar em função da cultura da empresa e da mudança cultural que se quer atingir.
Portanto, antes de orientar o desenho do programa, faço um diagnóstico sobre os aspectos citados e expectativas em vários níveis.

  • Propósitos
Os programas mais fáceis de administrar tendem a ser os que atendem a propósitos claros e acordados entre todos, como no caso da redução de custos.
Porém muitas empresas optam pelos programas de ideias, sobretudo para estimular a Cultura de Inovação.
Na verdade, todo o programa se beneficia nesses dois aspectos, mas mexer com cultura organizacional envolve mais variáveis, inclusive
líderes informais mais ou menos propensos a aceitar mudanças.

Por isso, elaboro junto com a empresa um Plano de Adoção que procura ver formas de mobilizar as pessoas favoravelmente

  • Apoio da cúpula
Como em qualquer programa, o apoio da cúpula é fundamental, e quanto antes ele vier melhor
Diretores podem ser conquistados por meio das próprias ideias, que bem comunicadas mostrarão os benefícios do programa


  • As Gerências
Gerentes nem sempre atuam na apresentação das ideias, mas quase sempre se espera que motivem a participação, avaliem ideias e dêem
espaço para que elas sejam implantadas.
Para tal, realizo palestras de sensibilização, bem como treinamento em avaliação e adaptação de ideias e feedbacks às ideias não aceitas


Negligenciar o preparo e reconhecimento aos gerentes pode criar um grande gargalo, e conflitos posteriores entre gerentes e suas equipes.

Implementação das Ideias
Mesmo recebendo premios, autores das ideias se frustram caso suas sugestões não sejam implementadas
Da mesma forma, o abandono a uma ideia, antes ou depois de sua avaliação diminui a credibilidade ao programa.

Um problema comum é a fila de ideias aceitas, mas não implantadas pela falta de tempo ou dinheiro para tal
Assim, insisto em um budget pré-definido, assim como permissão para a alocação de tempo para garantir a implementação

  • Aprendizado e Motivação Contínuos

A motivação é uma questão delicada, que deve ser monitorada frequentemente e estimulada de forma coletiva– com diferentes campanhas – e individual – com, por exemplo, a atenção que se dá aos feedbacks às ideias não aceitas.
Já o aprendizado envolve visão sistêmica da empresa, avaliação custo benefício de uma ideia e às vezes até da inserção da ideia no sistema.
Presenciei alguns programas nos quais a participação havia começado a decair e os colaboradores alegavam não ter mais ideias. Nessa
hora, promovi seminários sobre diagnóstico de oportunidades de inovação e geração de ideias e as contribuições voltaram a crescer.
A meu ver, estes são alguns “pulos do gato” dos sistemas de geração de ideias. Estou à disposição para ouvir, debater e contribuir.

Copiado: http://www.giselakassoy.com.br

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Todas as Pessoas Tem Direitos Sexuais. Você sabia disso?

O dia 4 de setembro foi estabelecido pela World Association for Sexual Health(WAS) a data para celebrar o Dia Mundial da Saúde Sexual. Criada em 2010, a proposta surgiu para promover maior consciência social sobre a saúde sexual ao redor do mundo. 

Como ainda há muita confusão entre a palavra sexo sexualidade, vale lembrar que sexo é apenas um aspecto da sexualidade.

  • Todas as pessoas têm direitos sexuais que são considerados Direitos Humanos Universais, declarados em agosto de 1999, no 14º. Congresso Mundial de Sexologia da Associação Mundial para a Saúde Sexual (WAS) em Hong Kong.

Esses direitos são baseados na liberdade inerente, dignidade e igualdade para todos os seres humanos:

  • O DIREITO À LIBERDADE SEXUAL – A liberdade sexual diz respeito à possibilidade que os indivíduos tem de expressar seu potencial sexual. No entanto, aqui se excluem todas as formas de coerção, exploração e abuso em qualquer época ou situações de vida.
  • O DIREITO À AUTONOMIA SEXUAL. INTEGRIDADE SEXUAL E À SEGURANÇA DO CORPO SEXUAL – Este direito envolve a habilidade de uma pessoa em tomar decisões autônomas sobre a própria vida sexual num contexto de ética pessoal e social. Também inclui o controle e o prazer de nossos corpos livres de tortura, mutilação e violência de qualquer tipo.


  • O DIREITO À PRIVACIDADE SEXUAL – O direito às decisões individuais e aos comportamentos sobre intimidade desde que não interfiram nos direitos sexuais dos outros.
  • O DIREITO À IGUALDADE SEXUAL – Liberdade de todas as formas de discriminação, independentemente do sexo, gênero, orientação sexual, idade, raça, classe social, religião, deficiências mentais ou físicas

  • O DIREITO AO PRAZER SEXUAL – prazer sexual, incluindo autoerotismo, é uma fonte de bem estar físico, psicológico, intelectual e espiritual.

  • O DIREITO À EXPRESSÃO SEXUAL – A expressão sexual é mais do que um prazer erótico ou atos sexuais. Cada indivíduo tem o direito de expressar a sexualidade por meio da comunicação, toques, expressão emocional e amor.
  • O DIREITO À LIVRE ASSOCIAÇÃO SEXUAL – assegura o casamento ou não, o divórcio, e o estabelecimento de outros tipos de associações sexuais responsáveis.


  • O DIREITO ÀS ESCOLHAS REPRODUTIVAS LIVRES E RESPONSÁVEIS – É o direito de decidir ter ou não ter filhos, a quantidade e o tempo entre o nascimento de cada um, além do direito total aos métodos de regulação da fertilidade.
  • O DIREITO À INFORMAÇÃO BASEADA NO CONHECIMENTO CIENTÍFICO – A informação sexual deve ser gerada por meio de um processo científico e ético e disseminada de forma apropriada em todos os níveis sociais.
  • DIREITO À EDUCAÇÃO SEXUAL COMPREENSIVA – processo que dura a vida toda desde o nascimento e deveria envolver todas as instituições sociais.

  • O DIREITO À SAÚDE SEXUAL – O cuidado com a saúde sexual deve estar disponível para a prevenção e o tratamento de todos os problemas sexuais, preocupações e desordens.

Encerro este artigo com a frase do célebre Eleanor Roosevelt:

"Afinal, onde começam os Direitos Universais? Em pequenos lugares, perto de casa — tão perto e tão pequenos que eles não podem ser vistos em qualquer mapa do mundo. No entanto, estes são o mundo do indivíduo; a vizinhança em que ele vive; a escola ou universidade que ele frequenta; a fábrica, quinta ou escritório em que ele trabalha. Tais são os lugares onde cada homem, mulher e criança procura igualdade de justiça, igualdade de oportunidade, igualdade de dignidade sem discriminação. A menos que esses direitos tenham significado aí, eles terão pouco significado em qualquer outro lugar. Sem a ação organizada do cidadão para defender esses direitos perto de casa, nós procuraremos em vão pelo progresso no mundo maior".

 Por:  - https://www.linkedin.com/pulse/

Comodidade Dez, Privacidade Zero

Claro que você já percebeu. Sua vida não é mais a sua vida. Ela pertence aos aplicativos e à internet. Você entra no carro, liga o Waze para ver o trânsito e, dependendo do horário, o aplicativo já te pergunta se você está indo para determinado lugar – porque já reconhece seus trajetos usuais. 
Você entra no site da Amazon para comprar um livro e o site, com base em suas pesquisas e compras anteriores, já te mostra sugestões afins. Você escolhe pelo Airbnb uma casa para passar as férias, envia uma solicitação de reserva para o proprietário e se, 24 horas depois, não obtiver resposta, o site sabe e já te envia um pedido de desculpas e opções de casas semelhantes.
Isso é fantástico e ao mesmo tempo assustador. Os sites e aplicativos estão cada vez mais inteligentes e… sabem TODOS os nossos movimentos. Muita gente sequer percebe. Ou, se percebe, se sujeita a fornecer dados para ter em troca a economia de tempo e a comodidade.
Claro que todos nós gostamos de ser reconhecidos, de ter tratamento personalizado. Os sofisticados algoritmos por trás dos sites e aplicativos são mestres em suprir a nossa carência por atenção. É como se um amigo que nos conhece bem nos desse dicas sobre coisas que ele sabe que gostamos. É uma sensação de intimidade, de dedicação, que de alguma forma nos faz sentir mimados e privilegiados.
Colhemos as facilidades de receber informações alinhadas às nossas demandas e ao nosso perfil, mas pagamos o preço da não-privacidade.
Talvez por isso a febre do momento seja o Snapchat, aplicativo para troca de mensagens que apaga os registros em apenas alguns segundos. Para os teens, que há muito abandonaram o Facebook porque não querem saber de pais e tios “espionando” suas postagens, é a mídia ideal.
As marcas e artistas já estão descobrindo o valor desse “contato imediato”. Em fevereiro, Madonna lançou com exclusividade no Snapchat o clipe de Living for Love. Usando a ferramenta Discover, a cantora distribuiu o vídeo para todos os usuários do aplicativo, mas ele desapareceu em menos de 24 horas. Depois ele foi postado no YouTube, mas o barulho inicial se deu pelo Snapchat.
Enquanto os mais velhos querem guardar diálogos do Whatsapp ou revisitar antigos álbuns de fotos no Facebook, os mais jovens querem fugir desses registros. Tudo é imediato, de consumo rápido e superficial. No dia seguinte, mal se lembram do que viram. As impressões são fugidias e estão a todo momento dando lugar ao novo. Ansiamos por novidade, sem parar.
Se em 1989, quando Richard Saul Wurman (o idealizador das fantásticas mini-apresentações TED Talks) escreveu “Ansiedade de Informação”, já havia essa angústia, imagine hoje, com a facilidade das redes sociais para disseminar conteúdo em texto, vídeo e áudio. Em tempo: há um volume II dessa mesma obra, escrito em 2006, que discute como tornar a informação mais fácil e entender e de usar.
Chegará um tempo em que não vamos mais dormir, para não deixar de consumir conteúdo online o máximo possível. “O dia de 24 horas, definitivamente, não é mais suficiente. Não dá mais tempo para dormir, estamos o tempo todo conectados, atentos, consumindo conteúdo e nos relacionando com pessoas, sejam elas conhecidas ou não. 
No mundo atual, dormir é para os fracos. Dormir é o único momento em que realmente não estamos conectados. Talvez cheguemos a uma sociedade em que dormir seja ruim, indo além da mera sensação de perda de tempo que alguns de nós já sentem”, escreve Mauro Segura no intrigante post No mundo atual, dormir é para os fracos, inspirado pela obra “24/7 Capitalismo Tardio e os Fins do Sono”, de Jonathan Crary. É a Síndrome de FoMO (Fear of Missing Out, ou medo de deixar passar algo) elevada à décima potência.

Copiado: http://www.iinterativa.com.br

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

A Administração como Ciência

A Administração passou a ser vista e tratada de forma científica, a partir da Revolução Industrial, movimento que trouxe à tona inúmeras mudanças no que concerne ao modelo de produção adotado e, por consequência, na forma de administrar/gerir os recursos pertencentes à organização.

De modo a otimizar sua utilização e consequentemente os seus resultados. A partir desse tratamento (administração como ciência), começou-se a pensar formas de melhorar os resultados apresentados pelas empresas e assim iniciou-se a aplicação de métodos científicos à busca por essa melhorias. 
No início do século XX, dois engenheiros desenvolveram os primeiros trabalhos a respeito da administração. Embora sejam contemporâneos em seus trabalhos, os realizaram de forma individual. Enquanto o americano Frederick Winslow Taylor enfatizou a adoção de métodos racionais, padronizados e máxima divisão de tarefas, aumentado assim, a produção através racionalização do trabalho operário (das partes para o todo), e tendo para isso baseado-se na aplicação dos métodos científicos aos problemas da administração, sendo os principais, a observação e mensuração e, originando dessa forma, a Escola da Administração Científica. 

O europeu Henry Fayol desenvolveu a Teoria Clássica da Administração, a qual enfatizava a estrutura que a organização deveria ter para ser eficiente (de cima para baixo).
Taylor, com base em observações diretas feitas em oficinas, concluiu que, de modo geral, os operários, produziam muito menos que poderiam produzir. A partir daí desenvolveu seu sistema de administração científica. Ele pretendia uma verdadeira revolução mental por parte dos empregados e empregadores, que deveriam abandonar a luta pela repartição do produto do trabalho em favor da coordenação de esforços para aumentar esse lucro, o que ficou conhecido como estudos dos tempos e movimentos.
Fayol atribuiu aos subordinados uma capacidade técnica, que pode ser expressa através do que ele denominou de cinco princípios básicos da administração: planejar, organizar, comandar, coordenar e controlar (POCCC), princípios esses que sofreram alterações, sendo condesados.
Mas o que essas duas abordagens tinham em comum? O seu mecanismo. Ficaram conhecidas como teorias da máquina, pois as pessoas eram tratadas como engrenagens de máquinas, buscava-se sempre alcançar o máximo da sua capacidade produtiva, sem levar em conta fatores como a fadiga, a forma como essas pessoas de relacionavam, dentre outros tantos fatores.
Como resposta à Abordagem Clássica da Adminstração, tornaram-se públicos os primeiros trabalhos envolvendo o estudo do comportamento humano, bem como o impacto de algumas mudanças de fatores sobre esses comportamentos. 

Como consequências dos  resultado obtidos a partir da realização da experiência de Hawthorne, em Chicago, para pesquisar a correlação entre iluminação e eficiência dos operários, medida por meio da produção, surgia a abordagem Humanística da Administração. a qual defendia a ideia de que se deveria humanizar as organizações. 


Começaram a ter notoriedade aspectos como motivação humana, liderança, relações interpessoais, presença do fator psicológico. E assim, as empresas começaram a perceber a importância de se levar em conta os referidos fatores, sendo atribuído ao departamento de pessoal, a função de administrar esse novos desafios. 

Copiado: http://www.administradores.com.br/artigos

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Dia do Administrador - 09 de setembro



















O Dia do Administrador é comemorado em 09 de setembro no Brasil.

Esta data é dedicada a homenagear o administrador, profissional responsável por gerenciar uma organização, e que pode atuar em diferentes áreas.

O profissional de Administração pode trabalhar em empresas familiares, na área da administração hospitalar, gestão de pessoas, marketing, tecnologia da informação, consultoria, administração financeira, comércio internacional, professor de graduação, gestão estratégica, e etc.

Para exercer a profissão de administrador, o indivíduo deve concluir o curso de ensino superior em Administração de Empresas, numa instituição que seja reconhecida pelo Ministério da Educação e Ciência (MEC).


Origem do Dia do Administrador

A escolha do 9 de setembro como o Dia Nacional do Administrador é uma homenagem a assinatura da Lei nº 4.769, de 9 de setembro de 1965, responsável por regulamentar a profissão de Administrador no Brasil.

A data também foi instituída pela Resolução CFA nº 65/68, de 09/12/68.

Mensagem para o Dia do Administrador

  • A administração é a arte de aplicar as leis sem lesar os interesses. Parabéns pelo Dia do Administrador!
  • Ser competente é acertar um alvo que ninguém acertou, ser administrador é acertar um alvo que ninguém viu.
  • Os bons resultados de uma empresa passam pelo administrador! Parabéns pelo seu dia!
  • Administrar é olhar para o passado, narrar o presente e preparar alternativas melhores para o futuro. Com ela se converte sonho em realidade, talento em sucesso. Criamos capacidade e proporcionamos construção de riquezas, inovações e expressamos de várias maneiras o nosso amor pela profissão.
Copiado: https://www.calendarr.com



quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Palestra: " Valorização do Profissional de Administração " no UNICEUMA - São Luis Ma

Palestra " Valorização do Profissional de Administração " no Uniceuma - Turu. Representando o CRA-MA.

By: JORGENCA

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Logística Portuária – Desafios e Soluções

A questão da logística no Brasil é um dos grandes desafios. Sem infraestrutura eficiente para movimentação de mercadorias não existe a possibilidade de crescimento econômico sustentável. 
A logística portuária, por exemplo, tem sido uma grande barreira para realizar negócios em função da enorme burocracia que representa. 
Dados do Banco Mundial indicam que um container leva 13 dias para ser exportado no País. Para ter uma ideia, este mesmo ranking coloca Cingapura em primeiro lugar, onde o processo leva apenas um dia.
A realidade é que diversas informações sobre as cargas precisam ser discriminadas, compartilhadas e entregues aos diferentes órgãos e instituições envolvidos no processo – tais como Marinha, Polícia Federal, Anvisa, Receita Federal e agências portuárias. 
Antes de todas as partes estarem cientes dos dados, nada é liberado. A burocracia alfandegária se torna um entrave pois reflete diretamente no prazo de entrega das mercadorias.

E sabemos, quanto mais tempo uma carga fica parada no porto, mais custos e perda de competitividade para todos os envolvidos. A demanda por agilidade nestes procedimentos é evidente. 
O Governo Federal lançou um conjunto de medidas para tentar eliminar os gargalos de infraestrutura que devem resultar em investimentos de R$ 54 bilhões no setor portuário até 2017. No entanto, as empresas não podem ficar paradas. Paralelo a isso, elas precisam tomar algumas iniciativas para colaborar com a melhora do processo.
Para começar a solucionar os desafios, o desembaraço aduaneiro deve iniciar assim que o navio partir. Vale antecipar todos os procedimentos para a liberação da carga, assim, antes mesmo de o navio atracar, todos os arquivos com o reconhecimento da mercadoria já estarão com as instituições responsáveis. 
O EDI (Eletronic Data Interchange) é uma ótima alternativa.
Trocar documentos eletronicamente agiliza de forma considerável todo o processo de liberação de carga no porto. E, mais do que isso, ainda assegura que todos os órgãos envolvidos receberão a mesma informação. Isso porque processos manuais estão suscetíveis a falhas humanas. 
Automatizar todos os procedimentos possíveis elimina os gargalos e ainda evita essa discrepância de dados – muitas vezes, uma pequena divergência de informação pode atrasar o processo de liberação em dias. E isso não é interessante para nenhuma companhia.
Antecipar as informações necessárias para a liberação de mercadoria nos portos agiliza o momento da atracação. As empresas de logística marinha, por exemplo, já entenderam que terceirizar esses procedimentos pode ser a melhor saída. É uma forma de conseguir focar no core business e reduzir os gastos sem perder qualidade.  Já pensou nisso?
Copiado: Peterson Pais -  https://ecommercenews.com.br

terça-feira, 5 de setembro de 2017

BI - Business Intelligence. O Que É e Para Que Serve?

O grande volume de dados gerados a cada dia por milhares de pessoas e empresas demonstra o quanto a complexidade do mercado vem aumentando nos últimos anos, afetando a tomada de decisão no ambiente corporativo. É como se uma enxurrada de novas informações caísse sobre gerentes, diretores e CEOs a cada instante, tornando a gestão empresarial cada vez mais difícil.
Entretanto, da mesma forma com que a complexidade do mercado evolui, as tecnologias da informação também avançam, a fim de proporcionar metodologias e ferramentas para que a análise destes dados seja feita de maneira ágil e efetiva. Dentre as soluções de maior importância está o BI, ou Business Intelligence.

Business Intelligence. Do que estamos falando?

Se pararmos para pensar por um instante, chegaremos à conclusão de que nossa inteligência é formada por uma série de dados e informações que, quando processados pelo cérebro, se transformam em conhecimento aplicável, algo coerente e que tem significado.
O Business Intelligence não é diferente. É um conjunto de soluções, métodos, políticas e processos que estão voltados para a análise e entendimento da quantidade enorme de dados produzidos anualmente pelas pessoas, empresas, entidades, órgãos governamentais e sociedade como um todo.
É como se você tivesse um cérebro altamente poderoso processando uma quantidade gigantesca de informações para sua empresa, mas com uma vantagem: extraindo insights que nenhum cérebro humano seria capaz de extrair sem o auxílio da tecnologia.

Por que investir em BI

Quando processamos informação em nosso cérebro, criamos inteligência. Descobrimos padrões, identificamos tendências, revelamos comportamentos e aprendemos com isso. Uma empresa que investe em Business Intelligence está investindo em desenvolvimento de conhecimento, em aprendizagem organizacional que leve a melhores níveis de competitividade.

Com a análise de dados feita por um sistema de BI a empresa é capaz de avaliar seu próprio desempenho, desenvolver uma visão estratégica de longo alcance e com isso tomar melhores decisões para o negócio.
Imagine que você tenha a proposta de um novo investimento em parceria com outra empresa e que precise avaliar a viabilidade do projeto com agilidade, a fim de dar uma resposta ao potencial parceiro. São vários fatores que impactam nesta decisão: sua situação financeira, sua capacidade de investir, o momento atual da economia, a performance dos concorrentes, a aceitação do público, entre outros.
Todos estes fatores podem ser melhor compreendidos se você tiver uma ferramenta de Business Intelligence coletando, analisando e catalogando informações para que você tenha uma visão ampla de todos os cenários possíveis. Mais do que a ferramenta, você também precisará de profissionais que saibam ler e interpretar os dados dentro de determinados contextos, melhorando sua capacidade de decisão.
Os processos voltados para a inteligência de negócios também facilitarão o compartilhamento de informações com as pessoas envolvidas e agilizará o processo de tomada de decisão para o seu empreendimento.

A tecnologia a seu favor

Pensar em inteligência de negócios é pensar em agilidade de respostas a um ambiente extremamente volátil, que exige preparo para que sua empresa permaneça na liderança. Por isso, é indispensável que você crie o contexto para que o Business Intelligence integre verdadeiramente a cultura da sua empresa.
Esse preparo deve começar com um excelente sistema de gestão, que possibilite a integração de todas as informações gerenciais num único lugar, capaz de armazenar, processar e analisar as informações estratégicas da sua empresa. Depois, você pode integrar novas soluções para ampliar sua capacidade de análise, diversificar as fontes de dados e descobrir tudo aquilo que a sua empresa precisa para ter sucesso.
Copiado: http://www.stratec.com.br

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Psicopatas Corporativos: Um mal que nos cerca

Norman Bates, Hannibal Lecter: assassinos sanguinários, maníacos e perigosos. É isso que lhe vem à cabeça quando se fala em psicopatas? Pode esquecer. A maioria dos psicopatas não chegam a matar, mas não pense que com isso você está seguro, ele pode estar mais perto do que você imagina!
Os psicopatas estão onde você menos espera: no ambiente corporativo. Ele pode ser seu chefe, seu colega aparentemente carismático e esperto ou até mesmo você!
A verdade é que o clima de competitividade dentro de uma empresa é o local perfeito para se passar despercebido- e ai que mora o perigo- afinal de contas o que não falta em uma empresa são pessoas ambiciosas que não medem sacrifícios para se dar bem. Tudo isso associado ao charme natural do psicopata dificulta, e muito, sua identificação.
Por isso, leia com atenção as principais características de um psicopata e fique bem atenta para não se tornar a próxima vítima!
Primeiro alerta: Psicopatia tem cura?  Não. Psicopatia é um transtorno de personalidade e não uma doença como muitos pensam, logo não existe cura para um transtorno, o que se pode fazer é tentar corrigir comportamentos suspeitos com acompanhamento de um terapeuta e psiquiatra, se forem notados logo na infância.
Contudo um adulto psicopata dificilmente mudará seu comportamento. Na essência ele não tem empatia por outros indivíduos, nem o sentimento de culpa, por isso costumam quebrar regras, mentir descaradamente e prejudicar os colegas sem o menor remorso. Para um psicopata ações imorais fazem parte da rotina naturalmente e por isso não hesitam em manipular e usar todo o seu charme e carisma para alcançar seus objetivos.
Segundo alerta: Profissões que atraem mentes perigosas - A revista britânica divulgou uma lista com as profissões que mais atraem psicopatas e as que menos atraem.
Profissões com mais psicopatas
Profissões com menos psicopatas 
1.    CEO
1.    Cuidador
2.    Advogado
2.    Enfermeiro
3.    Profissional de Mídia (TV/Rádio)
3.    Terapeuta
4.    Vendedor
4.    Artesão
5.    Cirurgião
5.    Estilista
6.    Jornalista
6.    Voluntário
7.    Policial
7.    Professor
8.    Líder Religioso
8.    Artista
9.    Chef
9.    Médico
10.Funcionário Público
10.Cuidador

Agora imaginem esses quatro por cento se concentrando nessas profissões e principalmente no meio corporativo. Por isso a chance de você encontrar um psicopata é muito maior, inclusive especialistas afirmam que uma pessoa não se depara com um psicopata ao longo da vida e sim com cerca de quinze!O livro ‘’Mentes Perigosas- o psicopata mora ao lado”, de Ana Beatriz diz que a cada 25 pessoas uma é perversa, desprovida de culpa, e capaz de passar por cima de qualquer ser humano para satisfazer seus próprios interesses. Isso representa cerca de 4% da população mundial.
A maioria dos psicopatas são homens, por isso os cargos com maior incidência de psicopatia são os CEOS de empresas, representação máxima de poder e que são ocupados, na maior parte das vezes por homens.
Cargos que despertem adrenalina ou possuam status de poder são as profissões que mais atraem psicopatas por isso o profissional de rádio/TV está em 3º lugar na lista. Já as profissões que menos atraem psicopatas, segundo a pesquisa, seriam porque todas elas exigem cuidado com o próximo, ou seja, tudo o que o psicopata não tem são sentimentos de empatia e cuidado.
Terceiro alerta: O perfil do psicopata 
– Habilidosos, carismáticos, políticos e admirados. Se servem disso para se autopromover tomando para si os méritos de outros.
– São megalomaníacos querem ser reconhecidos como profissionais eficientes e merecedores de admiração, mesmo que tratem as pessoas de forma arrogante e depreciativa.
– Personalidade narcisista e traços destrutivos, tem sua autoestima estimulada e fortalecida pela situação gerada.
– Ausência de sentimento de culpa, de vergonha e de remorso; oportunistas; egocêntricos e manipuladores.
– Necessidade de criticar os outros com frequência, não estabelecer relação de afeto, o discurso totalitário e a capacidade de culpabilização de outros por suas fraquezas e dificuldades.
Quarto alerta: Quem costuma ser o alvo - Devido à complexidade do assunto é difícil criar padrões de vítimas dos psicopatas. Em geral qualquer pessoa pode se tornar alvo de um psicopata. Tudo depende do contexto. Se ele se sentir ameaçado por alguém não hesitará em prejudica-lo.
No entanto, em alguns estudos, tem pessoas que estão mais suscetíveis ao assédio como:
– Pessoas extremamente competentes
– Resistentes a padronização ou que possuam algum traço que as diferencie como deficiência ou crença religiosa.
– Mulheres, negros, homossexuais e pessoas que reajam ao autoritarismo ou representem uma ameaça ao seu superior também são alvos.
Essas características lembram alguém que você conhece ou conheceu? Provavelmente sim, mas se ainda precisa de um exemplo concreto de um psicopata corporativo, vamos recorrer ao cinema. Apesar de a maioria dos filmes sobre psicopatas conterem grandes erros de informação e exagero, existem sim filmes que mostram o psicopata corporativo.
Um exemplo é o filme ‘’O diabo veste Prada’’, pelo menos é isso o que o artigo da Universidade de Uberlândia concluiu. Um filme aparentemente engraçado e elegante que mostra os bastidores do mundo da moda na verdade caracteriza de forma clara o perfil do psicopata corporativo.
A personagem principal, Miranda, tem um ar de superioridade, olha para todos com desdém, critica com frequência e mostra desprezo e desinteresse pelas pessoas que a cercam, traços de uma personalidade perversa que caracteriza o psicopata corporativo.

A editora-chefe não admite ser reprovada e adora ser admirada por aquilo que faz, mostrando claramente seu perfil perverso e narcisístico. O assédio é uma forma que o agressor encontra de se sentir mais seguro, autoconfiante e poderoso.
Além disso, ela toma para si, méritos que são conquistados por outros e utiliza da energia de Andy, sua assistente e principal vítima, para conseguir o que precisa, manipulando as pessoas em benefício próprio, traços característicos de uma personalidade perversa e psicopata.
Cultura da aceitação - O artigo conclui falando sobre a cultura da aceitação do ambiente de trabalho. Assim como na redação da importante revista de moda do filme, onde ninguém ousava questionar Miranda e todos se submetiam aos seus abusos, na realidade as coisas não são diferentes.
Alguma vez você deve ter se sentido cansado, estressado e decepcionado em algum emprego. Muitas vezes o ambiente estressante cercado de insegurança leva as pessoas a se sentirem desiludidas com a organização, nutrindo ressentimentos por terem se dedicado tanto ao trabalho e ainda assim terem passado por situações traumáticas.
Esse sofrimento atinge a todos com exceção do psicopata, pois esse não sente culpa nem remorso pelo que causa aos outros. Assim enquanto você fica no eterno dilema, manter o emprego, mas se sentir infeliz a beira de um colapso, o psicopata se diverte com o sofrimento alheio e se aproveita disso para subir na carreira.
Por isso a melhor coisa ao se deparar com um psicopata é tentar ficar fora de seu caminho, no entanto se isso não é possível não o enfrente, ameace ou procure mudar seu comportamento. Isso só fará com que você vá para o topo da lista de vítimas. Fique sempre em alerta e não caia em suas armadilhas, para que você também não seja prejudicado.
Por Juliana Bittencourt - https://olharesdejornalistas.wordpress.com